IMG_4206.jpg

Olá! Meu nome é Gabriel Guirá.

Sou artista visual, cênico e literário morador de Sobradinho, Brasília.

 

Meu trabalho autoral é comumente movido pelas poéticas dos sonhos, memórias e infâncias. Deles, destacam-se: Aldeia Adormecida, obra plástica de surrealismo e memórias reais de infâncias, participante do Festival Primeiro Olhar nas edições de 2019 e de 2021 (esta em parceria com Gandhy Piorski); e Encaracole, solo de dança-teatro, dirigido por Janaina Moraes, inspirado nos primeiros movimentos e sons dos bebês, selecionado para o Festival Viosioni 2020, na Itália (cancelado em virtude da pandemia da Covid-19).

Em minhas parcerias contínuas, destacam-se: como ator, artista gráfico e assessor de mídias, Bebelume, projeto de séries audiovisuais para infâncias com o qual já estive presente em mais de 15 festivais nacionais e internacionais; como artista gráfico e assessor de mídias, Festival Primeiro Olhar, da Cia La Casa Incierta, o maior festival de artes para primeira infância do Brasil, que conta com minha programação visual desde 2018; como artista gráfico, performer e arte-educador, Abrindo a Sala, ajuntamento de colaborações em diferentes linguagens com projetos nos mais variados formatos; como artista gráfico e assessor de mídias, Garra - Grupo de Artistas em Rede Associada, colaboração de financiamento coletivo de 7 grupos teatrais do DF.

Atualmente eu integro a Tríade Brinquedo com minhas parceiras Ana Flavia Garcia e Elisa Carneiro, e o Coletivo Morada, ao lado de Marilia Cunha, Nath Britto e Pedro Caroca. Destes grupos, destacam-se:

Da Tríade Brinquedo: Brasília, Brinquedo de Ler, espetáculo teatral com dramaturgia de minha autoria, estreado em 2018 com recursos do FAC - Fundo de Apoio à Cultura do DF, e selecionado para eventos e publicações como o Catálogo Dramática Iberoamericana para Infância e Juventude, da Argentina, o Festival de Teatro e Arte-Educação do DF e o 20th Assitej World Congress em Tokyo; e Malacatifa, projeto multi artístico de ocupação poética dos espaços públicos, estreado em 2021 também com recursos do FAC, por meio da ocupação de 12 praças da região do Guará ao ldo de 3 meses, e selecionado, no mesmo ano, a compor a programação de intervenções do Travessia - Festival de Artes Performáticas.

Do Coletivo Morada, Tempo Dell'Anima, residência com Antonio Catalano, realizada em 2019 na Casa Degli Alfieri (em Asti, Itália) com apoio do programa Conexão Cultura DF, e desdobrado tanto em um curta documentário homônimo em que assino direção e roteiro, quanto em Popololu, espetáculo teatral em que estive em cena, estreado na Scuola Valerio Miroglio, na Itália, e circulado pela Rede Pública de Ensino do Distrito Federal; e Fissura, nano-metragem com roteiro de minha autoria. Ambos os trabalhos audiovisuais integraram a programação de festivais em 2021.

Artista investigador contínuo das artes gráficas e suas materialidades, todos os anos eu assino dezenas de projetos visuais, convidado pelos mais variados grupos e artistas da cena cultural do Distrito Federal.

IMG_4468.jpg